Cotações

    ***** = Obra-prima
    **** = Ótimo
    *** = Bom
    ** = Fraco
    * = Turkey

Outros sites

Histórico

Assine o RSS


O que é isto?

mentiras e verdades em 24 fotogramas ou 29 frames por segundo!

PROCURA-SE GÊNIO MARGINAL NORTE-AMERICANO! Hoje, nosso amigo Estevão na lista Canibal colocou a ficha deste Senhor procurado por fazer filmes geniais com pouca grana! Se virem fitas deste senhor, aluguem imediatamente! Vejam sua ficha:

John Carpenter

Nome de Nascimento: John Howard Carpenter

Profissão: Diretor

Data de Nascimento: 16.01.1948

País de Nascimento: EUA

Cidade de Nascimento: Carthage , NY

Biografia:

John Carpenter nasceu em 16 de janeiro de 1948 na cidade de Carthage, Nova York, mas foi criado em Browling Green, Kentucky, onde seu pai trabalhava como professor de música em uma Universidade. Carpenter foi músico e, na adolescência, tocou em uma banda de rock.

Matriculou-se na Escola de Cinema da Universidade de Southern California, em Los Angeles, onde realizou, em 1970, o curta intitulado ''The Ressurection of Broncho Billy''. Trabalho este que levou o Oscar de Melhor Curta-Metragem.

Seu primeiro longa-metragem intitulado ''Dark Star'', de 1974, foi financiado com dinheiro próprio. Ao custo de parcos 60 mil dólares, foi realizado juntamente com o colega Dan O'Bannon (roteirista de ''Alien - O Oitavo Passageiro''.O filme não teve críticas muito positivas e como Carpenter não conseguia arranjar trabalho começou a escrever roteiros. Ele escreveu o roteiro para ''Os Olhos de Laura Mars'', o que lhe trouxe certa liberdade financeira. Então, um investidor fianciou seu segundo longa: ''Assalto à 13ª DP'' (1976), inspirado em ''Onde Começa o Inferno'', de Howard Hawks.

Depois ele realizou um filme para a TV chamado ''Alguém me Vigia'' (1978), onde conheceu e acabou por se casar com sua primeira esposa, a atriz Adrienne Barbeau. Então realizou ''Halloween - A Noite do Terror'' (1978), que tornou-se um dos filmes independentes de maior sucesso financeiro de todos os tempos. Tendo custado apenas 300 mil dólares o filme rendeu, em sua distribuição internacional, 75 milhões.

Carpenter dirigiu depois ''Elvis Não Morreu'' (1979), um drama para a TV no qual ele viria a trabalhar pela primeira vez com Kurt Russel (que interpretou Elvis). Este filme marcaria o início de uma parceria de amizade e trabalho que renderia ainda mais quatro filmes. ''A Bruma Assassina'' (1980), seu filme seguinte, conta a história de uma cidade litorânea ameaçada por fantasmas assassinos habitantes de uma misteriosa neblina.

''Fuga de Nova York'' (1981) criou uma legião de seguidores "cult". Seu filme seguinte, ''O Enigma de Outro Mundo'' (1982), um clássico moderno e refilmagem de ''O Monstro do Ártico'' (1951), foi mal recebido por crítica e público. Seu mal desempenho nas bilheterias prejudicou a carreira de Carpenter, que passou de oito a nove meses sem trabalho.

Então, quando lhe foi oferecida a direção de ''Christine - O Carro Assassino'' (1983), baseado em um livro de Stephen King, Carpenter aceitou. Querendo mostrar que não sabia realizar apenas filmes de terror e ficção científica, Carpenter dirigiu ''Starman, o Homem das Estrelas'' (1984) um filme humano, sensível e positivo que deu à Jeff Bridges uma indicação ao Oscar.

''Os Aventureiros do Bairro Proibido'' (1986) virou cult depois, mas na época do lançamento não fez sucesso comercial e gerou problemas para o diretor que não se deu bem com a política financeira dos grandes estúdios.

Voltando ao gênero horror e ao cinema independente, Carpenter realizou o apocalíptico ''O Príncipe das Sombras'' (1987), sob o pseudônimo de Martin Quatermass. Em seguida dirigiu e escreveu (sob o pseudônimo de Frank Armitage) outro filme de baixo orçamento muito criativo chamado ''Eles Vivem'' (1989). Após estes dois filmes Carpenter dirigiu a comédia ''Memórias de um Homem Invisível'' (1992), veículo para Chevy Chase.

''Body Bags'' (1993) foi um filme para a TV co-dirigido por Carpenter e no qual ele serviu como apresentador para suas três histórias curtas de terror. Com ''À Beira da Loucura'' (1994) Carpenter recebeu críticas muito boas, o que não acontecia há anos. Mas mesmo assim não foi muito bem de bilheteria.

''A Cidade dos Amaldiçoados'' (1995) é uma refilmagem do clássico "Village of the Damned" (1960). Marcou a última atuação do ''Superman'' Christopher Reeve antes do acidente que o deixo tetraplégico. Em ''Fuga de Los Angeles'' (1996) Kurt Russel veste de novo a jaqueta de Snake Plissken. O filme foi bancado pela Paramount, mas acabou sendo um tremendo fracasso de bilheteria e não conseguiu agradar nem os fãs do filme original. ''Vampiros de John Carpenter'' recebeu boas críticas, mas também foi mal nas bilheterias, assim como também ocorreu com seu último longa metragem ''Fantasmas de Marte''.

Com o fracassos de seus últimos filmes, muitos já decretaram a decadência do mestre do terror e da ficção, mas ainda é cedo para fazer tal afirmação, pois ainda existem muitos lugares escuros para que a mente doentia de John Carpenter possa explorar.

Nota do editor:

Acho que Vampiros (1998) é um dos melhores filmes não compreendidos na época! Pois nada melhor que um filme que retrate Vampiros que foram criados pela própria Igreja. E não é apenas isso, temos o caçador de Vampiros Jack Crow (JAmes Woods) com o herói anti-ético e uma atmosfera de Faroeste. Vampiros saindo da terra é terror ou horror bem criado.

Credito ao filme "Enigma de Outro Mundo" (The Thing 1982) como um dos melhores filmes de terror de alien hostil que já vi na minha vida e "Fuga de NY" (Escape From NY 1981) como o primeiro anti-herói de cinema que marcou minha infância. Os dois quem protagoniza é Kurt Russel.
Escrito por Vebis "El Cabrón" Junior às 01h26 [] [envie esta mensagem]

Última parte - Referências de Kill Bill Vol 1 por Otávio Moulin

* Hannah, na cena do hospital, assobia o tema composto por Bernard Hermann
para A Morte com Cara de Anjo (Twisted Nerve). No filme ainda temos várias
citações em relação à trilhas, com trechos de temas compostos por Charles
Bernstein (para Sob o Signo da Vingança, com Burt Reynolds) e Quincy Jones
(do tema do seriado O Homem da Cadeira de Rodas),

* A cena onde o veterano Michael Parks surge na trama (com os pares de
óculos sobre o painel do carro) é uma homenagem à uma seqüência de Gone in
60 Seconds, do já falecido dublê malucão Toby Halicki. Este filme foi a base
para 60 Segundos, aquela bomba estrelada por Nic Cage e Angelina Jolie.



* A arma de Go Go Yubari, a corrente com uma bola de metal, aparentemente
não foi tirada de nenhum filme específico. Ela na verdade é uma espécie de
cruzamento de um mortal iô-iô usado por inocentes colegiais na série
japonesa Sukeban Deka e pela esotérica arma que Chen Kuan Tai enfrenta em
The Flying Guillotine, outra clássica produção da Shaw Bros., e que ficaria
mais famosa no independente The Master of the Flying Guillotine, de Wang Yu.



* A seqüência da origem de O-Ren Ishii é feita em animação, e apesar de não
citar nada especificamente já é um óbvio sinal de que Tarantino é apreciador
dos famosos animês. O trabalho aqui foi feito pela Production I.G., estúdio
responsável pelo clássico O Fantasma do Futuro.

* Nos créditos finais Tarantino homenageia 6 figuras do cinema que faleceram
recentemente: Kinji Fukasaku, Charles Bronson, Chang Cheh, Lo Lieh, Shintaro
Katsu (intérprete personagem do espadachim cego Zatoichi em uma grande
seqüência de filmes) e William Witney (diretor de várias séries de
faroeste).

Bom, acho que está de bom tamanho. Com este texto já é possível interpretar
vários trechos do filme e até mesmo entender os motivos que levaram Quentin
Tarantino a realizá-lo, numa grande declaração de amor aos filmes que ele
assistia em sua juventude e às novas tendências originadas por isso. Não
preciso nem dizer que estou super ansioso para assistir ao Volume 2 e é
claro, se for possível, espero voltar com mais referências sobre a metade
final da trama.

O que dá pra encontrar por aqui:
Alguns são difíceis de encontrar, foram lançados em VHS há muitos anos por
distribuidoras já fora do mercado, enquanto outros são bem recentes e
existem até mesmo em DVD. Vamos ver o que já foi lançado no Brasil daqueles
que citei no texto.
A Câmara 36 de Shaolin (36th Chamber of Shaolin/Shaolin Master Killer, HK,
1978)Dir: Chia Liang Liu. Com: Gordon Liu, Lo Lieh.China Video (VHS)

A Casa do Além (The Beyond/L'Aldilá, ITA, 1981)
Dir: Lucio Fulci. Com: Katherine McColl, David Warbeck.Reserva Especial (VHS)

Os Cavaleiros da Tempestade (The Storm Riders, HK, 1998)Dir: Andrew Lau. Com: Aaron Kwok, Ekin Cheng.China Video (VHS/DVD)

Cavalgada dos Proscritos (The Long Riders, EUA, 1980)Dir: Walter Hill. Com: James Keach, David Carradine.Reserva Especial (VHS), Continental (DVD)

Os 5 Venenos de Shaolin (The Five Venoms/The Five Deadly Venoms, HK, 1978)Dir: Chang Cheh. Com: Philip Kwok, Lo Meng.China Video (VHS/DVD)

Os Discípulos da Câmara 36 (Disciples of the 36th Chamber/Disciples of the Shaolin Master Killer, HK, 1985)Dir: Chia Liang Liu. Com: Gordon Liu, Lily Li.China Video (VHS)

O Fantasma do Futuro (Ghost in the Shell/Kokaku Kidotai, Jap, 1995)Dir: Mamoru Oshii. Vozes de: Atsuko Tanaka, Akio Otsuka.Flashstar (VHS/DVD)

O Grande Mestre Beberrão (Come Drink With Me, HK, 1966)Dir: King Hu. Com: Cheng Pei Pei, Hua Yueh.China Video (VHS)

Irmãos de Sangue (Blood Brothers/Dynasty of Blood, HK, 1973)Dir: Chang Cheh. Com: Ti Lung, David Chiang.China Video (VHS)

Jogo da Morte (Game of Death, HK, 1978)Dir: Robert Clouse. Com: Bruce Lee, Kareem Abdul-Jabbar.FJ Lucas ou Penta Video (VHS), Continental (DVD)

McQuade - O Lobo Solitário (Lone Wolf McQuade, EUA, 1983)Dir: Steve Carver. Com: Chuck Norris, David Carradine.Globo Video ou Flashstar (VHS)

Mensagem do Espaço (Message from Space/Uchu Kara No Messeji, Jap, 1978)Dir: Kinji Fukasaku. Com: Vic Morrow, Sonny Chiba.Transvídeo (VHS)

Os Mortos Vivos (Dead and Buried, EUA, 1981)Dir: Gary A. Sherman. Com: James Farentino, Melody Anderson.Europa Filmes (VHS/DVD)

Ninja Wars (Ninja Wars/Iga Ninpoucho, Jap, 1982)Dir: Mitsumasa Saito. Com: Hiroyuki Sanada, Sonny Chiba.Transvídeo (VHS)

Portal do Inferno (Samurai Reincarnation/Makai Tensho, Jap, 1981)Dir. Kinji Fukasaku. Com: Sonny Chiba, Hiroyuki Sanada.Everest Video (VHS)

60 Segundos (Gone in 60 Seconds, EUA, 2000)Dir: Dominic Sena. Com: Nicolas Cage, Angelina Jolie.Buena Vista (VHS/DVD)

A Sociedade da Espada (The Princess Blade/Shurayuki Hime, Jap, 2001)Dir: Shinsuke Sato. Com: Yumiko Shaku, Ito Hideaki.China Video (VHS/DVD)

The Street Fighter - O Filme (The Street Fighter/Gekitotsu! Satsujin Ken,Jap, 1974)Dir: Shigehiro Ozawa. Com: Sonny Chiba, Waichi Yamada.Reserva Especial (VHS)

Tora! Tora! Tora! (Tora! Tora! Tora!, EUA/Jap, 1970)
Dir: Richard Fleischer, Kinji Fukasaku, Toshio Masuda. Com: Martin Balsam,Soh Yamamura.
Fox (DVD)

Vestida Para Matar (Dressed to Kill, EUA, 1980)Dir: Brian De Palma. Com: Michael Caine, Angie Dickinson. Globo Video ou Flashstar (VHS), Fox (DVD)


Escrito por Vebis "El Cabrón" Junior às 19h31 [] [envie esta mensagem]

Parte 3 das Referências de Kill Bill Vol 1

Sonny Chiba - O homem também creditado como Shinichi Chiba (seu nome real)
é um dos grandes ídolos de Tarantino e que já havia recebido citações em
outro roteiro de dele, Amor à Queima Roupa, dirigido por Tony Scott em 1993.
Chiba ganhou fama no ocidente quando encarnou o truculento Terry Tsurugi, o
protagonista de Karatê Mortal, ou The Street Fighter, como é mais conhecido.
O filme fez fama por ser um dos primeiros filmes não-pornô a receber a
censura 'X' (proibido para menores, que hoje já não existe mais e foi
substituída pelo NC-17) nos EUA, graças a algumas cenas com ossos fraturados
e a famosa seqüência onde ele arranca os testículos de um oponente apenas
com as mãos. O sucesso do filme gerou várias continuações (Return of the
Street Fighter, Street Fighter's Last Revenge e Sister Street Fighter) e
Chiba seguiu com uma carreira de mais de 100 filmes, a maioria fitas de ação
e artes marciais, muitas delas ao lado de outro astro japonês, Hiroyuki
'Henry' Sanada (visto recentemente em O Último Samurai), como em Ninja Wars,
Mensagem do Espaço e Portal do Inferno. Recentemente voltou a ganhar
destaque ao interpretar o vilão na megaprodução chinesa de fantasia Os
Cavaleiros da Tempestade, que foi um sucesso estrondoso na Ásia. Em Kill
Bill, Chiba interpreta Hattori Hanzo, que de acordo com Tarantino é
descendente de um personagem homônimo que Chiba viveu num seriado de
televisão chamado Hattori Hanzo: Kage no Gundan (Shadow Soldiers), vindo de
uma histórica e real linhagem de ninja do Século XVI.



David Carradine - Ainda que David Carradine nunca tenha convencido muito
como lutador, o homem merece ser reconhecido afinal estrelou uma série de
grande sucesso que popularizou ainda mais o gênero no ocidente. É isso mesmo
gafanhoto, Carradine entrou para a história das artes marciais como Caine, o
herói do seriado Kung-Fu, aquele mesmo que originalmente seria um veículo
para Bruce Lee. Ele estrelou um punhado de filmes bacanas no final da década
de 70 e começo dos 80 como A Cavalgada dos Proscritos, um western de Walter
Hill muito querido por Tarantino (e por mim também, se isso te interessa), e
por volta daquela época encarou até mesmo uma lutinha básica com Chuck
Norris em McQuade - O Lobo Solitário. Ainda que nunca tenha deixado de
trabalhar, seu nome foi caindo no esquecimento ao longo dos anos, mesmo com
a tentativa de ressuscitar a série que o lançou no começo da década de 90.

Lady Snowblood (Shurayuki Hime)- Este é um filme japonês de 1973, dirigido
pelo já falecido Toshiya Fujita, e que foi baseado numa série de mangás do
mestre Kazuo Koike (o mesmo criador do Lobo Solitário e Crying Freeman). A
estrutura do filme parece ter sido a base para o filme de Tarantino pois as
semelhanças são enormes: a história é sobre uma mulher que busca de
vingança. Some a isso a lutas com muitos sprays de sangue e até mesmo
seqüências em animação e não temos dúvidas que o filme é uma peça importante
em Kill Bill. Lady Snowblood teve continuação em 1974 e um remake de 2001,
lançado por aqui sob o nome de A Sociedade da Espada. Outra referência é que
uma música do filme, 'The Flower of Carnage', também está presente na trilha
de Kill Bill.



Kinji Fukasaku - Falecido em 2003, o diretor japonês Kinji Fukasaku é mais
conhecido no ocidente por ter co-dirigido a metade japonesa do filme Tora!
Tora! Tora! mas para quem conhece o cinema japonês sabe que sua importância
é infinitamente maior. Ele dirigiu mais de 50 filmes e fez de tudo um pouco;
romances, dramas, fitas sobre crime organizado e de artes marciais e até
mesmo sobre ficção científica. Sua obra inspirou várias idéias no roteiro de
Quentin Tarantino, em especial no personagem de Lucy Liu, que se torna a
rainha do submundo de Tóquio comandando o grupo que Uma Thurman acaba
enfrentando, o Crazy 88s. O diretor/roteirista diz ter se inspirado em um
estranho filme que Fukasaku dirigiu em 1968 chamado Black Lizard. Mas
existem outras referências sobre ele pois Tarantino usa música de um de seus
grandes sucessos, Battles Without Honor and Humanity como a principal do
filme, e colocou como a vilã Go Go Yubari a atriz Chiaki Kuriyama, que fez
um personagem assustador no polêmico Battle Royale, último filme de Fukasaku
que fez um enorme sucesso em festivais e já é tido como clássico em meio a
colecionadores e aficcionados.

Na verdade junto ao trabalho de Fukasaku, podemos citar o trabalho de vários
outros diretores japoneses como Miike Takashi, Shogo Ishii, Seijun Suzuki,
Teruo Ishii, Kiyoshi Kurosawa, Katsuhito Ishii e Takashi Ishii por
influenciar de alguma maneira essa história, afinal esses nomes são alguns
dos responsáveis pela genialidade do cinema de horror e ação japonês, que
parece ter uma fonte inesgotável de idéias chocantes e originais e que são a
cara de Quentin Tarantino. Procure no exterior fitas como Electric Dragon
80.000 V, Ichi The Killer, Dead or Alive, Pulse, Audition, Cure, Shark Skin
Man and Peach Hip Girl e até fitas mais antigas como Branded to Kill e Tokyo
Drifter para saber do que estou falando.

Como já começamos a falar de coisas mais distantes e corremos o risco de
fazer um estudo sobre o cinema oriental, vou começar a listar mais algumas
referências e deixar uma listinha de outros filmes que estão ligados à Kill
Bill. Não será uma tarefa das mais fáceis descobrir onde estão as
referências mas este é um dos grandes trunfos do filme.

* O visual da personagem de Darryl Hannah é copiado do violentíssimo filme
sueco They Call Her One Eye (também conhecido como Thriller: A Cruel
Picture), sobre uma garota muda que é violentada e tem seu olho furado de
forma brutal por um bandido que a força a se prostituir. Algum tempo depois
a garota faz um treinamento intensivo para se vingar de toda a humilhação. A
fita contém cenas de sexo explícito inseridas e é extremamente rara,
circulando no mercado negro muitas vezes em cópias surradas sem legendas.




Escrito por Vebis "El Cabrón" Junior às 19h24 [] [envie esta mensagem]

Parte Dois das Referências de Kill Bill vol 1

Com a chegada, nos anos 80, a concorrência do estúdio Golden Harvest, do
vídeo-cassete e com a saturação do gênero de artes marciais, os donos do
estúdio resolveram largar a produção de filmes e se concentrar em outros
negócios, como a televisão. Desde então os filmes de seu catálogo ficaram
sem distribuição oficial no mundo inteiro. Algumas fontes revelam que o
estúdio tinha medo da pirataria e barrou a distribuição de seus filmes em
VHS enquanto outros rumores indicam desde problemas com copyright até mesmo
um certo protecionismo sobre os filmes por parte dos produtores. Esses
boatos chegam até ser irônicos já que durante as últimas duas décadas o
culto em torno de seus filmes ficaram nas mãos justamente de fãs, que
trocavam cópias piratas entre si, além de empresas americanas e européias,
que alegaram que vários filmes estava sob domínio público e inundaram o
mercado de VHS e DVDs com cópias dubladas e em pan and scan de má qualidade.
Felizmente em 2002 a Celestial Pictures, empresa com sede na Malásia,
comprou os direitos de explorar o catálogo da Shaw Bros. e aos poucos está
relançando seus filmes em DVD, totalmente restaurados e remasterizados
(inclusive no Brasil).

Com certeza esta é a grande força por trás de Kill Bill, tanto que Tarantino
resolveu filmar grande partes das cenas no próprio estúdio chinês e deu
várias fitas da Shaw Bros. para seu diretor de fotografia, Robert
Richardson, para que ele tentasse reproduzir o clima, aquele jeitão dos
filmes antigos. Por isso ele também evitou ao máximo a utilização de efeitos
digitais, tentando usar as mesmas técnicas que eles utilizavam na época.

Um dos Logos da Shaw Bros

Duas referências são predominantes neste volume 1. A cena onde Uma Thurman
enfrenta o grupo inteiro dos Crazy 88s foi tirada de Chinese Boxer, onde o
astro/diretor Jimmy Wang Yu caía no braço com uma horda de lutadores
japoneses. Wang Yu era o grande astro do gênero na China antes do fenômeno
chamado Bruce Lee e o filme é muito querido por Tarantino, pois foi o
primeiro a focar em duelos com contato corporal (socos e chutes) ao invés
dos tradicionais duelos de espada, se tornando a base para os filmes de
kung-fu da velha escola. Além disso alguns afirmam que o grupo de assassinos
do filme é uma homenagem ao grande clássico de Chang Cheh, The Five Venoms,
onde 5 lutadores formavam um clã de assassinos onde cada um representava o
estilo de luta de um animal venenoso. Efeitos sonoros daquele e de outros
filmes do estúdio também são usados em Kill Bill.

Poster Japonês do filme Five Venoms

Bruce Lee - A roupa amarela de Uma Thurman é talvez a mais óbvia referência
do filme, fazendo uma devida homenagem a maior ícone das artes marciais, o
grande Bruce Lee (que usou algo similar em O Jogo da Morte). Mas ela não é a
única referência, afinal o personagem Johnny Mo (Gordon Liu) usa uma máscara
igualzinha à que Lee usava no personagem Kato, do antigo seriado O Besouro
Verde. Um trecho da trilha do seriado também é usado, especificamente na
seqüência de moto pelas ruas de Tóquio.

Gordon Liu - Também conhecido como Chia Hui, Gordon Liu é meio irmão do
diretor Lau-Kar Leung, que o escalou para um filme que se tornou clássico, A
Câmara 36 de Shaolin (conhecido nos EUA como Shaolin Master Killer ou
simplesmente Master Killer). Liu também estrelou dois spin-offs (Retorno à
Câmara 36 e Os Discípulos da Câmara 36) e nunca deixou de trabalhar nos
últimos anos, tendo estrelado recentemente outro filme de Leung, Drunken
Monkey. Em Kill Bill ele ganhou dois papéis; o do capanga Johnny Mo no
volume 1 e no volume 2 ele retorna sob maquiagem pesada na pele do mestre
Pai Mei, o famoso traidor de Shaolin que apareceu de alguns filmes da Shaw
Bros (mas isso eu comento quando Kill Bill 2 sair).

Cena de Shaolin Master Killer


Escrito por Vebis "El Cabrón" Junior às 19h17 [] [envie esta mensagem]

As Referências de Kill Bill Vol. 1

Dentro da lista Canibal Holocausto que participo, conheci muita gente boa e chata. Mais boa que chata. Uma delas e que é responsável pela minha formação em cinema oriental, é o grande camarada Otávio Moulin que homenageio colocando o texto de sua autoria sobre todas referências presentes em Kill Bill, quarto filme de Tarantino, um perfeito cinéfilo. Eu pelo menos sempre acreditei que a maioria dos cineastas que são cinéfilos trazem uma gigantesca bagagem para bons filmes....vamos ao tema e muito obrigado Otávio:

Bem, a esta altura não preciso dizer a ninguém que sou um grande fã de
filmes de artes marciais, fitas asiáticas em geral e dos filmes de Quentin
Tarantino, portanto Kill Bill já entrou para a minha lista de favoritos
antes mesmo de sair do papel. Infelizmente logo o processo de sair do papel
foi problemático, afinal Uma Thurman (que recebeu o personagem principal
como presente de aniversário) ficou grávida, Tarantino resolveu reescrever
várias cenas e o papel do grande vilão Bill pulou de Warren Beatty para
Kevin Costner para só depois ficar com David Carradine (não por acaso atores
que precisam de um 'revival' nas carreiras, daquele que só Tarantino sabe
dar). Mas no fim tudo deu certo. Na verdade deu certo até demais já que o
todo poderoso da Miramax, Harvey Weinsten, resolveu cortar o filme em dois
volumes e lançá-los nos cinemas separadamente para que não tivesse que
eliminar grandes seqüências do filme (uma prática que Weinsten é famoso por
fazer, principalmente em filmes asiáticos que distribui no Ocidente,
inclusive muitos de Jet Li e Jackie Chan).

Depois de tanta coisa, incluindo um atraso espantoso em sua estréia no
Brasil, o longa está entre nós e digo uma coisa: é incrível. Tarantino
continua com seu velho estilo de adaptar, citar ou simplesmente roubar
descaradamente sacadas de filmes antigos para criar seus roteiros espertos e
sempre cheios de energia. E acredite, dessa vez ele até exagerou um pouco.
Para se ter idéia, só nos primeiros 15 segundos de exibição já somos
bombardeados com 3 citações: uma vinheta de 'Feature Presentation' da
distribuidora de Bob Muraski e Sage Stallone, a Grindhouse Releasing,
responsável por lançar nos EUA pérolas do cinema de terror italiano como o
clássico The Beyond, de Lucio Fulci e associada do selo 'Rolling Thunder' do
próprio Tarantino; uma tela com os dizeres 'A vingança é um prato melhor
servido frio" tido como um provérbio Klingon da série Jornada nas Estrelas;
e a mais importante, a inesquecível vinheta da Shaw Bros. e aquela música
inconfundível. Os mais saudosistas irão se arrepiar ao ver aquele velho logo
de volta aos cinemas, mais de vinte anos depois de uma enxurrada de
clássicos das artes marciais.

A esta altura todo mundo já está careca de saber da história mas só para dar
o serviço completo aqui vamos nós outra vez. Uma Thurman é uma assassina
profissional que sofre um atentado no dia de seu casamento (daí ser chamada
de 'A Noiva') e fica anos em coma. De forma espetacular ela se recupera e
planeja vingança contra aqueles que a queriam morta, justamente seus antigos
colegas de uma organização de assassinos profissionais conhecido como
'Deadly Viper Assassination Squad' (DiVAS), composta por Copperhead (Vivica
A. Fox), Cottonmouth (Lucy Liu), California Mountain Snake (Darryl Hannah),
Sidewinder (Michael Madsen) e seu irmão e líder da organização, Bill
(Carradine).

Neste primeiro volume podemos conferir a volta à vida da Noiva (conhecida no
grupo antigamente como Black Mamba, que assim como os outros, é o nome de
uma espécie de cobra - além de todos os nomes serem de antigos inimigos do
Capitão América) e o início de sua vingança. Aqui ela encara Copperhead, que
agora é mãe e dona de casa sob o nome de Vernita Green, e Cottonmouth (agora
sob o nome O-Ren Ishii), que se tornou líder da máfia japonesa. Ela também
arruma um tempinho para ganhar uma espada especial, feita por um antigo
desafeto de Bill conhecido como Hattori Hanzo (Sonny Chiba).

Vamos agora ao que interessa, que é tentar entender pelo menos algumas das
citações que Tarantino coloca no filme. O interessante é que devido ao
volume de informações as pessoas chegam ao ponto de ter várias possíveis
fontes de onde o diretor/roteirista poderia ter tirado apenas uma citação.
Quer ter uma idéia? Na cena onde Darryl Hannah aparece vestida de enfermeira
que planeja assassinar Uma Thurman no hospital, várias idéias surgiram, uns
pensaram em Vestida para Matar, de Brian de Palma (que já era uma citação à
Marnie - Confissões de uma Ladra, de Hitchcock), outros pensaram no filme de
terror Os Mortos-Vivos, de Gary Sherman, quando que na verdade a citação era
sobre o thriller Domingo Negro, de John Frankenheimer (como Tarantino acabou
revelando em algumas entrevistas). Outra referências tidas como claras por
fãs e críticos como A Noiva Estava de Preto, de François Truffaut, foram
desmentidas por Tarantino.
Jogo duro não? Então começarei pelas maiores e mais óbvias citações:

Shaw Bros. - Era o maior estúdio da Ásia e o berço de grandes clássicos das
artes marciais dos anos 60 e 70, ainda que produzisse filmes de todos os
gêneros. Ele funcionava como uma grande cidade, grande parte dos empregados
comiam e dormiam por lá, desde faxineiros até técnicos de luz e som, além de
funcionar como na Era dos Estúdios em Hollywood, com astros que assinavam
contratos de exclusividade. Seus filmes eram os mais bem produzidos, com
grandes cenários e figurinos luxuosos, e eram fortemente dependentes de 3
diretores já lendários: King Hu, Chang Cheh e Lau-Kar Leung (que na época
assinava Chia Liang Liu, seu nome em mandarim imposto pelos Shaw). Eles
transformaram em astros nomes como Jimmy Wang Yu, Ti Lung, David Chiang, Lo
Lieh, Alexander Fu Sheng, Gordon Liu, Danny Lee e Cheng Pei Pei em grandes
produções como Come Drink With Me, 36th Chamber of Shaolin, Crippled
Masters, Blood Brothers e One-Armed Swordsman. Pergunte a fãs e
colecionadores de fitas de artes marciais quais seus 10 filmes preferidos da
'old school' e com certeza uns 6 ou 7 serão da Shaw Bros.

Um dos sets de gravação dos filmes da Shaw Bros


Escrito por Vebis "El Cabrón" Junior às 19h11 [] [envie esta mensagem]

[ ver mensagens anteriores ]