Cotações

    ***** = Obra-prima
    **** = Ótimo
    *** = Bom
    ** = Fraco
    * = Turkey

Outros sites

Histórico

Assine o RSS


O que é isto?

mentiras e verdades em 24 fotogramas ou 29 frames por segundo!

O Mais questionável

Dentre todos, este é o bloco mais questionável , e devido a ciscunstâncias pessoais, me identifico com o da Sofia Coppola!

Par perfeito

Vanessa Kopersztych

Um grupo de cientistas - e cinéfilos - de um colégio inglês elegeu os casais com mais química sexual entre os filmes de todos os tempos. Meg Ryan e Billy Cristal, protagonistas da comédia romântica Harry e Sally, levaram nota 10. Saiba quais os outros longas e tire suas conclusões

1989: HARRY E SALLY - FEITOS UM PARA O OUTRO

O casal vivido por Harry (Billy Cristal) e Sally (Meg Ryan) levou nota 10. Eles se conhecem em uma viagem e a amizade evolui para uma atração irresistível. Cena memorável: na lanchonete, Sally finge um orgasmo em voz alta

Essa é para deixar a turma dos cinéfilos em polvorosa. Cientistas do Kings College, em Londres, fizeram uma pesquisa para eleger os casais de atores que tiveram mais química sexual nas telas, desde que os irmãos Lumière inventaram o cinema. Os critérios para a seleção foram: a voz, o contato do olhar, a linguagem corporal e a excitação exibidos pelos atores.

Quem levou o primeiro lugar foi uma comédia romântica hollywoodiana dos anos 80, o filme Harry e Sally - Feitos um para o Outro, estrelado por Meg Ryan e Billy Cristal, que tirou nota 10 na pesquisa. Para alívio dos nostálgicos, Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, o casal do clássico Casablanca, ficou com 9,5. Em seguida, com nota 9, outra dupla obrigatória para quem gosta da sétima arte: Audrey Hepburn e George Peppard, no longa Bonequinha de Luxo. A ala moderninha foi representada por Scarlett Johansson e Bill Murray, no cult movie Encontros e Desencontros. Richard Gere e Julia Roberts, que encarnaram o magnata e a prostituta de Uma Linda Mulher, também tiveram boa pontuação. Já Leonardo DiCaprio e Kate Winslet não convenceram os pesquisadores. O casal do aclamado Titanic - que levou 11 Oscars - não convenceu e ficou com nota zero.

1942: CASABLANCA

Em plena Segunda Guerra Mundial, o empresário Rick (Humprhey Bogart), dono da boate Rick's Bar, vê sua vida tomar outro rumo ao reencontrar a ex-namorada Ilsa (Ingrid Bergman), que o havia deixado e reaparece casada. O casal teve nota 9,5. Cena memorável: a despedida e o beijo no aeroporto

 

 

1961: BONEQUINHA DE LUXO

Audrey Hepburn vive Holly, uma garota de programa que sonha encontrar um marido rico, mas acaba se apaixonando pelo escritor Paul (George Peppard). O romance levou nota 9,0. Cena memorável: Holly admirando as vitrines da joalheria Tiffany, ao amanhecer



1990: UMA LINDA MULHER

O romance rendeu nota 7 a Edward (Richard Gere) e Vivian (Julia Roberts). Ele é um executivo que se apaixona aos poucos pela prostituta, que resiste à idéia no começo. Cena memorável: os dois passeando pela Rodeo Drive, rua mais chique de Los Angeles

 

1990: GHOST - DO OUTRO LADO DA VIDA

Sam (Patrick Swayze) é assassinado durante um assalto e tenta entrar em contato com a mulher, Molly (Demi Moore), através de uma médium, interpretrada por Whoopi Goldberg. Cena memorável: o casal esculpindo um vaso de cerâmica

 

 



2003: ENCONTROS E DESENCONTROS

A amizade entre a recém-casada Charlotte (Scarlett Johansson), entediada ao acompanhar o marido a trabalho em Tóquio, e o astro decadente Bob (Bill Murray), ganhou nota 9,0. Cena memorável: o abraço da dupla no fim do filme

 

1997: TITANIC

O longa que ganhou 11 Oscars conta a história da aristocrata Rose (Kate Winslet), que se apaixona pelo pintor Jack (Leonardo DiCaprio), durante a viagem inaugural do lendário Titanic. Ela larga o namorado rico para ficar com o rapaz pobre, contrariando a vontade da mãe. O romance de Rose e Jack está no auge quando o barco começa a afundar. Mas o amor da dupla não convenceu e levou zero. Cena memorável: quando os dois estão se afogando e tentam se salvar da tragédia


Escrito por Vebis às 11h34 [] [envie esta mensagem]

Três Blocos a la Capricho O casais em Drama

POR LUCIANA BORGES

 
Cidade dos Anjos: O amor é um sentimento tão cobiçado que faz o anjo de Nicolas Cage descer à Terra

Cidade dos Anjos (1998)

O longa-metragem Asas do Desejo, de Wim Wenders, ganha refilmagem em Cidade dos Anjos, com Meg Ryan e Nicolas Cage nos papéis principais. O próprio Wenders, ao lado de Peter Handke elaborou o roteiro da produção americana. Na história, Cage vive o anjo Seth, responsável por zelar pelos atos de algumas pessoas na Terra. Entre elas está a médica Maggie (Ryan), uma profissional abalada pela morte de seu último paciente. Tocado pelo sofrimento da doutora, o anjo desce para a Terra a fim de ajudá-la a se livrar da culpa pelo ocorrido. O grande fio condutor da trama surge do impasse que Seth passa a sofrer, ao ter que decidir entre permanecer na sua missão como anjo ou se tornar humano para viver seu amor por Maggie. Bela história conduzida por duas músicas que se tornaram hits: 'If God Who Send his Angel', do U2, e 'Iris', da banda de rock Goo Goo Dolls

 

Divulgação
Clint Eastwood e Meryl Streep: casal charmoso e amor impossível levam as mulheres às lágrimas em As Pontes de Madison

As Pontes de Madison (1995)

As Pontes de Madison é um drama romântico que faz chorar, principalmente no caso das mulheres. Estrelado por nada menos do que Meryl Streep e Clint Eastwood, o longa-metragem trata súbita paixão surgida entre o fotógrafo Robert Kincaid (Eastwood) e a dona-de-casa Francesca (Streep). Eles se conhecem casualmente, enquanto Francesca esá sozinha em casa, esperando marido e filhos voltarem de uma viagem de quatro dias. A bela história mostra a personagem se redescobrindo como mulher quando decide se entregar ao sentimento pelo fotógrafo. Contado em flashback, o romance entre eles serve para os filhos de Francesca questionarem suas vidas. A interpretação dos dois atores é comovente e arrebetadora. Clint Eastwood também dirigiu o filme.


 
Dustin Hoffman e Anne Bancroft em A Primeira Noite de um Homem

A Primeira Noite de um Homem (1967)

Tratar do relacionamento entre um rapaz e uma mulher muitos anos mais velha já é assunto delicado hoje, imagine em 1967. Por isso que A Primeira Noite de um Homem se tornou uma espécie de marco, ao delinear um romance que fugia totalmente do convencional. Novamente aí, entramos no terreno dos filmes que dominaram a década de 70, abordando relacionamentos problemáticos e pessoas em crise. Na história, Dustin Hoffman é Benjamin Braddock, um jovem que acabou de sair da universidade e volta para a casa dos pais. Na festa organizada para recebê-lo surge Sra. Robinson (Anne Bancroft), que fica atraída pelo rapaz e tenta seduzí-lo. Benjamin, no entanto, foge do ataque da femme fatale, por ainda ser virgem. A Primeira Noite de um Homem foi o filme de estréia de Dustin Hoffman no cinema e ganhou o Oscar de Melhor Diretor para Mike Nichols.

 
Cary Grant e Deborah Kerr: tentando tornar real um amor arrebatador em Tarde Demais para Esquecer

Tarde Demais para Esquecer (1957)

Tarde Demais para Esquecer foi um estrondoso sucesso na época de seu lançamento. Não só porque tinha dois nomes de peso como protagonistas - Cary Grant e Deborah Kerr -, mas por contar uma história de amor cheia de desencontros e reviravoltas. Na trama, o casal se conhece em um navio, mas ambos são comprometidos. Marcam então um encontro no Empire State Building, em Nova York, o qual seria o ponto de partido do romance, pois eles já deveriam ter terminado seus relacionamentos anteriores. A trama inspirou, anos mais tarde, Sintonia de Amor, com Meg Ryan e Tom Hanks.

 

 
Natalie Wood e James Dean em Juventude Transviada: o rebelde e a boa moça não escapam da paixão


Juventude Transviada (1955)

Estrelado pelo fenômeno da década de 50 James Dean, Juventude Transviada mostrava os adolescentes americanos sem a habitual ingenuidade das produções da época. Na trama ele vive o arruaceiro Jim Stark, recém-chegado a uma pequena cidade americana e hostilizado pela turma de jovens do local. O rapaz logo se apaixona por Judy, personagem de Natalie Wood, mas tem que disputar a moça com o líder do grupo, que morre no duelo entre eles. Juventude Transviada foi o maior sucesso de James Dean no cinema. O ator que teve carreira meteórica, morreu de forma trágica, em um acidente de carro. Tinha apenas oito filmes no currículo, mas já havia conquistado uma legião de fãs.

Escrito por Vebis às 11h26 [] [envie esta mensagem]

Romance

POR LUCIANA BORGES


 
Marlon Brando e Maria Schneider: cenas tórridas do casal que se entrega ao prazer em Paris

O Último Tango em Paris (1972)

Este filme de Bernardo Bertolucci foi lançado no mesmo ano que O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola. Os dois longas atestaram definitivamente o talento de Marlon Brando, mesmo tratando-se de roteiros tão diferentes. O Último Tango em Paris foi filmado na França e conta a história de Paul (Brando), um homem atormentado pelo suicídio da mulher, que conhece uma atraente francesa, interpertada por Maria Schneider. As cenas de sexo causaram polêmica, retratando um ambiente de liberação sexual (muito ligado com o que acontecia na época) e ajudaram a fazer a fama do filme.

 
Queridinhos da América: Doris Day e Rock Hudson eram sucesso na década de 60

Confidências à Meia-Noite (1959)

Se o assunto são pares que deram certo no cinema não poderia faltar a dupla que foi a cara da década de 60 em Hollywood - Doris Day e Rock Hudson. Eles formavam o estereótipo do casal americano perfeito, fato que podia ser conferido na boa bilheteria das produções estreladas pelos dois. Confidências à Meia-Noite é o longa-metragem mais famoso: na trama, Hudson interpreta um homem que tem dificuldade em conquistar as mulheres. Doris Day, por sua vez, mantém a linha da 'boa moça', com seus vestidos em tom pastel e ar inocente. Indicada para quem quiser matar a saudade das comédias românticas politicamente corrertas estreladas pela loira.



 
Gilda e Farrel: paixão avassaladora

Gilda (1946)

Gilda transformou Rita Hayworth em mito na década de 40. Ela reinou sozinha como o maior símbolo sexual de Hollywood e foi o rosto mais emblemático de sua época. Dirigido por Charles Vidor, Gilda conta a história de um triângulo amoroso entre ela e dois homens. O primeiro, Johnny Farrel, papel de Glenn Ford, é o amado da musa; o segundo, Ballin Mundson (George MacReady), trata-se de seu marido, um empresário com quem casou para se vingar da indiferença de Farrel. Aproveitando o talento de Hayworth para cantar e dançar, o roteiro criou a cena mais famosa da atriz no cinema: ao som da música 'Put The Blame On Mame', a Rita Hayworth começa a fazer um strip-tease. A personagem não tira mais do que as luvas, porém consegue paralizar todos no ambiente onde está. O mesmo aconteceu nas platéias da época. A combinação perfeita entre a atriz e Glenn Ford rendeu outros dois filmes - Os Amores de Carmen, de 1948, e Uma Viúva em Trinidad, de 1952. Para Ford, sempre o mesmo papel: um homem atormentado por sua paixão pela musa. Na vida real, Rita Hayworth teve muitos admiradores, mas nunca esqueceu seu conturbado romance com o diretor Orson Welles.

 

 
...E o Vento Levou: Vivian Leigh e Clarke Gable protagonizaram o maior sucesso de 1939, ano de ouro na produção cinematográfica de Hollywood

...E o Vento Levou (1939)

Clássicos dos clássicos, a produção estrelada por Vivian Leigh e Clarke Gable levou nada menos do que 10 Oscar no ano de seu lançamento. A saga de Scarlet O'Hara (Leigh), narrada em quase quatro horas de filme, é um dos grandes sucessos da história do cinema americano. A trama conta a saga da moça para se sustentar e manter sua fazenda após os conflitos da Guerra Civil Americana. Gable interpreta Rhett Butler, um homem refinado, disposto a domar a voluntariosa Scarlet e conseguir que a heroína se apaixone por ele. Victor Fleming o diretor responsável por terminar as filmagens, não que estava presente desde o começo no projeto.


Escrito por Vebis às 11h24 [] [envie esta mensagem]

Meu Deus....Olha só isso que fizeram na revista Isto É , na on line.Parece até matéria da revista Capricho. E como hoje estou fragilizado e sem viadagens, resolvi colocar aqui para não se reclamar de algo e alguém disser: poxa, mas queria ver. Seguem aqui cada conclusão generalizada cinematograficamente.

As duplas dinâmicas de Hollywood

Casais inesquecíveis de Hollywood fizeram a fama de muitos filmes. Confira a lista das produções selecionadas: belas histórias e talentosas interpretações

Fazer uma lista com os melhores casais do cinema hollywoodiano é tarefa ingrata, afinal cada um é tocado de forma diferente pela história contada na tela. A lista abaixo, separada por gênero, tenta captar alguns longas-metragens clássicos, outros que ficam perdidos nas prateleiras das locadoras e, por fim, nossas sugestões de um bom entretenimento. Permeando as épocas, passeando por nomes famosos ou desconhecidos, descubra ou relembre atuações que valem a pena ser vistas

ROMANCE

 
Romance moderninho: Jim Carrey e sua 'Clementine Tangerine', interpretada por Kate Winslet.

Brilho Eterno de uma Mente sem Lembrança (2004)

Jim Carrey é conhecido por seu talento como comediante, mas neste filme mostra que encara muito bem um drama. Quem não acredita deve, literalmente, pagar para ver. Contracenando com ele, Kate Winslet, de visual totalmente 'alternativo', mostra que sabe fazer uma heroína complicada como toda mulher é quando está apaixonada. A química entre o casal funciona, e não poderia ser diferente, já que é nela que se baseia o filme. Claro que o roteiro de Charles Kaufman - nome do momento em Hollywood - é o responsável por essa combinação toda dar certo. Na história, o personagem de Carrey descobre que Clementine (Winslet), sua namorada, apagou as memórias dele de sua mente. Desesperado, decide se submeter ao mesmo processo. Enquanto as lembranças vão embora, ele é obrigado a rever seus sentimentos pela namorada. Brilho Eterno pode ser considerado um dos melhores romances do ano, por dar novo contorno às histórias de amor, bem como aconteceu com Encontros e Desencontros, em 2003.

 
Clooney e Zeta-Jones: mais chame é impossível
O Amor Custa Caro (2003)

Um advogado picareta e uma caça-dotes com algo em comum: ganhar mais e mais dinheiro. A comédia romântica com roteiro dos irmãos Ethan e Joel Coen usa o carisma dos astros Geoge Clooney e Catherine Zeta-Jones para contar uma história de amor com pitadas de humor negro. Miles Massey (Clooney) se apaixona por Marylin (Catherine) depois que ganha causa defendendo o ex-marido da bela no processo de separação. Sem um tostão, ela procura outro homem rico para se casar e arma um plano de vingança contra o advogado. Visual colorido e boa trilha sonora - que começa com uma música de Elvis Presley na abertura, O Amor Custa Caro é colírio para os olhos, tanto femininos, quanto masculinos.

 
O amor é lindo: Nicole Kidman e Ewan McGregor dançam, cantam e sofrem no musical Moulin Rouge

Moulin Rouge (2001)

Baz Luhrmann criou dois fenômenos com Moulin Rouge: trouxe de volta os musicais, com seu glamour característico, e ergueu a carreira de Nicole Kidman, na época recém-separada de Tom Cruise. O diretor e roteirista colocou a atriz no papel principal, interpretanto Satine - a cortesã mais bonita do cabaré Moulin Rouge. Foi depois desta produção que Nicole se tornou a estrela que é atualmente, saindo definitivamente da sombra de Cruise. Carismático e competente, Ewan McGregor também recebeu fôlego novo na carreira depois do musical. A química entre o casal funcionou tão bem que atribuiu-se até mesmo um affair à dupla de atores, enquanto ambos dividiam as cenas no set de filmagem. Mas não se repetiu na vida real a história de amor trágica entre o escritor Christian e a cortesã Satine, na Paris de 1899. O clima boêmio, as experiências dos artistas com o absinto, a expectativa pela chegada do novo século são bem retratadas, mas sem clima de reconstituição de época, pois muita bagagem pop recheia a história). Vale a pena se deter na cena em que Satine aparece pela primeira vez, descendo do teto em um balanço. Glamour puro!

 
Olivia Newton-John e John Travolta: o casal adolescente de Grease

Grease - Nos Tempos da Brilhantina (1978)


Jonh Travolta e Olivia Newton-John protagonizam este musical que apesar de retratar o anos 60, foi feito quase na década de 80, destoando da maioria das produções da época, focalizadas em criticar as instituições americanas e mostrar o ser humano em crise. A história conta o romance de verão entre a doce Sandy (Olivia) e o garotão Danny (Travolta). Quando a jovem se muda para a mesma escola que ele, Danny rejeita a moça para não perder o respeito da turma, já que eles são os bad boys do pedaço. Festas, drive-ins, milk shake e toda a ingenuidade da época são retratados no relacionamento dos adolescentes. As canções do musical são divertidíssimas e geralmente 'grudam' na cabeça, ressoando 'summer day is drifting away but oh! oh the summer nighhts... tell me more, tell me more'.


Escrito por Vebis às 11h23 [] [envie esta mensagem]

Novidades velhas sobre LAnd of Dead do Romero

Na verdade, esta notícia que veio  do amigo e novo blogueiro Leandro César Caraça, só me serviu aqui para mostrar esta foto da belissima Asia Argento.

De pensar que o Carlão é feliz por vê-la ao vivo nos festivais de cinema da Europa.

ZOMBIE FOOD

9.24.04
By
Dave Davis
Contributing sources: Variety

Just a day after the announcement that undead-loving Universal Pictures will distribute the long-in-coming fourth in George Romero’s “Dead” series, we can now put names and faces on some of the likely meals.

We know that Hollywood rebel Dennis Hopper is already hiding from the shambling masses in Land of the Dead, and now he’ll be joined by arguably alluring sexpot Asia Argento, motormouth Latino John Leguizamo (the comic relief, one assumes), Aussie Simon Baker (of TV’s The Guardian) and character actor Robert Joy (if this guys survives the first hour I’ll be astounded). The movie will also likely feature innumerable cameos, because who wouldn’t want to play a zombie in a George Romero movie?

The $16 million feature, which starts shooting in October, finds the survivors of a global zombie apocalypse holed up in skyscrapers while the mobile deceased wander the streets below. When these remnants of humanity discover that the living dead are evolving, they send out a group of soldiers in a special assault vehicle called the Dead Reckoning, the original (and better) name for the fourth film that Romero was apparently insistent on squeezing in there somehow.


Escrito por Vebis às 02h31 [] [envie esta mensagem]

Boba Fett do Ep. III

Eis que recebo numa das listas de discussão de Star Wars uma foto muito spoilerenta do novo filme: o garota que foi Boba Fett do capitulo anterior vestido já de mandaloriano. Resta saber se é do novo filme mesmo ou foi de algum evento. Feranardo Jedi MAster do fã-clube Conselho Jedi Sampa afirma que é para o filme.


Escrito por Vebis às 18h45 [] [envie esta mensagem]

[ ver mensagens anteriores ]