Cotações

    ***** = Obra-prima
    **** = Ótimo
    *** = Bom
    ** = Fraco
    * = Turkey

Outros sites

Histórico

Assine o RSS


O que é isto?

mentiras e verdades em 24 fotogramas ou 29 frames por segundo!

Decupagem Literária Mental

Em meio ao bombardeio de atividades pra se fazer, encontrei um tempo para mover meu blog. Alê Marucci, uma amiga que deu uma idéia da corrente literária escrita, sugeriu que amigos pudessem escrever 5 livros favoritos e colocasse no blog. David que recebeu dela o encargo, passou pra mim, porém, deixo a dica do Tadeu, Pips e Bárbara a missão da postagem sobre livros, top 5.
Seria bom mesmo eu embalar, porque Chico Fireman pediu aos membros da Liga que colocassem os melhores do semestre. Fiz minha lista e ainda nnao a divulguei por aqui.
Então por ordem, coloco primeiro a dos livros e daqui uns 4 dias dos filmes do semestre.
Meus cinco livros favoritos, poderão sair manchados devido ao fato de que pensei apenas agora, não tive como sentar e divagar para pensar os livros que realmente mexeram comigo.
Então a lista é uma lista de momento. Também não vou querer colocar aqui por ordem de valor. Mas sim, apenas 5 livros que recomendo agora.



Jairo e o cerne do seu livro

 

CINEMA DE INVENÇÃO - de Jairo Ferreira
Neste livro que comprei pela dica do meu amigo Francis, foi o primeiro passo para poder entender o cinema e a sua total liberdade. Jairo que escrevia como poucos, tinha particularidade com o cinema, como quem descrevesse uma trepada com uma puta que se come a toda semana. Por este livro, confesso que adquiri maior amor ao cinema "marginal" que tanto influencia meus trabalhos até hoje.



O mais cinético dos filósofos, Deleuze.

 

A IMAGEM-TEMPO - de Gilles Deleuze
Um filósofo que até então apenas o conhecia por ter escrito sobre Focault com maior precisão, é também um filósofo de cinema. Lia os artigos da revista "Cahiers du Cinema" e não entendia milongas alguma. Achava aquilo tão chatão que me irritei e fui atrás pra saber o que seria melhor fazer para entender a revista que tantos amigos falavam bem. Li, amei e comecei a entender melhor o que muitos homens-foda faziam para diluir o cinema.



Sartre que na imagem remete ao áudio, já que na foto do Deleuze está mais imagem.

 

TRILOGIA
A IDADE DA RAZÃO/ SURSISS/ COM A MORTE NA ALMA de Jean-Paul Sartre
Achava bem cool abaixo de zero alguns amigos me falarem dos existencialistas. Tentei ler Nietzsche, depois parti para outros franceses como Proust e em todos vi qual seria minha linha favorita de escrita. Quando a Lília Olmedo me indicou o primeiro dessa trilogia, Li, gostei pra caraleo e fui atrás deles em Sebos do Messias entre outros. Assim acabei conhecendo outros que gostei bem mais que Sartre com o proprio Albert Camus. Mas como esta trilogia é um marco de "gostar de existencialista", as menções honrosas vão para este, justamente porque entendi neste personagem, como é foda ser cuzão e depois correr atrás da diferença não apenas pra provar para os outros, mas para si mesmo.



Um dos meus mentores, Leonardo Boff.

 

A AGUIA E A GALINHA - de Leonardo Boff
Eu sou católico progressista e adquiri este rótulo esquecido e apagado pelo Papa Bento XVI depois que entendi a linha de pensamento "mãos `a obra" que a Teologia da Libertação tem para se responsabilizar em melhorar os problemas sócio-políticos na America-Latina. Hoje, o que encontro da espiritualidade, é proeminente deste livro. Por ele conheci outros que chegam a ser melhores do próprio Boff, mas na simplicidade, Boff nos mostra quando temos a dimensão águia e quando temos a dimensão galinha, quando um ou outro podem nos ajudar ou nos destruir.




Thomas Merton e Dalai Lama.

 

THOMAS MERTON - O APÓSTOLO DA COMPAIXÃO - J.C. Ismael
Ganhei este livro do Carlão Reichenbach, pois quando vimos o curta dele "Equilibrio e Graça" nos sentimos tocados por retratar o Ocidente encontra o oriente, pois ali, tem em puro cinema o encontro de TD Suzuki, o difusor do Zen Budismo no Ocidente com Thomas MErton, um monge trapista que adquiriu muito do pensamento e contemplação oriental dentro do Cristianismo. Reichenbach disse que uma das fontes dele foi este livro de J.C Ismael. Para mim, foi mais uma experiência Mística ler sobre Merton e como aquilo afeta a espiritualidade.


Escrito por el cabrón de la pelicula às 20h23 [] [envie esta mensagem]

[ ver mensagens anteriores ]