Cotações

    ***** = Obra-prima
    **** = Ótimo
    *** = Bom
    ** = Fraco
    * = Turkey

Outros sites

Histórico

Assine o RSS


O que é isto?

mentiras e verdades em 24 fotogramas ou 29 frames por segundo!

Safra boa de uns meses pra cá

Devido ao fato de que utilizei meu mulçtiply para resenhar os filmes que andei vendo, larguei o blog para eventualidades de cinema, música e outras coisas em geral.

 

Mas justamente por ter amigos apenas no blogue, voltarei a colocar alguns coments de filmes e claro, priorizar o blogue e deixar o Multiply para alguns detalhes, isso se, eu tiver tempo, porque me acumulei tanto de certas coisas que não tive tempo para nada MESMO! E olha que fiquei devendo coments de filme da mostra e outros aleatórios que tenho visto.

 

Para homenagear meu amigo e montador, MArcelo Valletta, vou seguir seus passos e escrever algumas palavras de filmes que fiquei devendo aqui minhas primeiras impressões.

 

- Tropa de Elite de José Padilha - Realmente, falando com o Valletta ele me ressalta que mesmo o filme sendo bom, as falhas do roteiro deixaram personagens meio mal lapidados. Quando tentei ver o filme no DVD popular, ví até o nascimento do filho do capitão Nascimento. Ao ver no cinema, notei que no DVD fiquei até onde o filme me interessa. Dali em diante ele não me empolga tanto. Mas ainda sim, um filme corajoso e diferente de tudo que tinha visto. Três estrelas com certeza.

 

- Planeta Terror de Robert Rodriguez - Sem dúvida o irmão mais novo de "Era uma vez no México" onde comprova que seu cinema é mostra do universo sem limites. A homenagem pode não ser compreendida fielmente pelos brasileiros, mas a mostra de que se traz no contexto, estética e ação é de primeiríssima qualidade. É Rodriguez que nunca me decepciona! Ao ver o herói (?) do filme metralhando zumbis em cima de uma moto de criança me fez ter certeza do tipo de diretor que me espelho para minhas realizações.

 

- A Prova de Morte de Quentin Tarantino - Confesso que pela primeira vez na vida os diálogos de Tarantino me deram uma cansada, sendo que sempre vejo e apreciou o falatório sobre nada, mas nesse senti a diferença. Mesmo tendo me incomodado, apreciei demais o filme que ficou claro uma simpatia que Tarantrino teve ao "Albergue" em que o vilão sofre o que chamamos lei do puteiro do "aqui se faz, aqui se paga". Destaque para cenas de acidente que é o ponto alto do filme.

 

Ponto alto do filme. Sem comentários.

 

- Ligeiramente grávidos de Judd Apatow - Virgem aos Quarenta foi uma das pérolas que mostravam a transição do que seria o grupinho de comédia  "Frat Pack" e seu teor de comédia de constrangimento era bem lapidado. Mas nesse filme, Indicação do meu amigo Francis, fui e me deparei com um dos melhores filmes do ano. Até os chatões do site Mise en scene adoraram o filme. André ZP, meu amigo ainda depois de ver o filme saca uma frase cabível: "se tirar o diálogo engraçado o filme se torna um dos piores dramas que já vi". É bem verdade isso. Porém, o que poderia beirar uma pieguice retratar moleque que deve crescer na hora, o filme toma tons justos e realistas, por mais que isso seja apenas um mero detalhe que não tira seu brilho.

É a juventude que não cresceu que Frat Pack sempre mostra e nesse isso é mais evidente.

 

- Superbad - é hoje de Greg Mottola - Mesma mão pesada de Apatow do filme citado acima, banca o filme para Mottola que dirigiu alguns episódios da série de TV que eles mantinham "Undeclared" (2001).

Porém neste é mais juvenil. Uma turma de garotos que para se tornarem "os caras" para as garotas que até então nunca tinham os notado, precisam levar o goró pra festa. Nessa aventura de conseguir o grupo dos três amigos se separam. Toda aventura é regada a termos rasgados que até então pouca gente teria coragem de escrever ou por no filme. Foi o que mais gargalhei e diverti. Lembra muito o que "Porkys" ou "A vingança dos Nerds" trabalhava na descoberta da puberdade e desejos sexuais como forma de se autoafirmar.

 

- Redacted de Brian De Palma - Uma resposta a atitude mentirosa da mídia americana ter escondido a verdade do povo. De Palma disse que toda verdade que os americanos tinham do Vietnan, foi realizada ao contrário pela última guerra no Iraque. Nessa ira o diretor faz um filme revisitando seu antigo "Pecados de Guerra" só que desta vez denso e cruel já que tinha esta liberdade devido ao filme ter sido realizado na bitola digital. A mesma liberdade o deixa transitar o filme como documentário francês, experiência dos protagonistas, mídia muçulmana terrorista e observações de circuito interno de câmeras. De Palma teve o dom neste.

 

Mestre De Palma versus Midia jornalística imbecil norte americana.

 

- Senhores do Crime de David Cronenberg - A mafia russa tem problemas nos futuros líderes e para isso os membros mais poderosos vai afiando seus homens mais empenhados para herdar o trono. Um dos vacilos dos novos foi ter deixado nascer um filho de uma prostituta que vai parar nas mãos de uma enfermeira descendente de russos. O filme me surpreende porque diferente dos outros trabalhos do diretor, este é mais contido e não deixa de ter as marcas cronenberguianas e principalmente muito bem dirigido! O cara pode pegar qualquer história que vai saber transformar em filme de sua estética bem dirigido!

 

- I´m not there de Tod Haynes - Existem muitas facetas que Bob Dylan passou. E muitas vezes o que ele não pode passar, ele veste a tal roupa nas suas letras. As seis facetas dele estão presentes num filme que apenas o Haynes teria o dom de fazer. Isso ele provou devido a sua retratação do Glam rock no Velvet Goldmine. As versões folk do mato estava na tutela de Cristian Bale, a fase elétrica na pele de Cate Blanchet, a fase recente com Heath Ledger. porém, as encarnações negrinho caipira, Jesse James e Arthur Rimbaud que ficam visíveis em música também tem sua pele. Toda erudição que Haynes havia guardado desde "Longe do Paraíso" volta no roteiro deste que tem tudo pra ser um dos melhores filmes do ano que vem.

 

Eis aí as facetas Dylan

 

- Antes só do que mal casado dos irmãos Farelly - O personagem de Ben Stiller é hostilizado num casamento se sua ex namorada. Porém consegue no seu caminho conhecer uma garota e quase que instantaneamente casa-se com ela sem a conhecer. No decorrer da Lua de mel conhece outra garota mais interessante enquanto se assusta mais com as explosões nada convencionais de sua mulher. A história seria muito simples se estivesse na mão de outros diretores que não sejam os Farelly que enchem de detalhes constrangedores e anti éticos como de costume. De novo uma marca de boa direção.

 

- Os Donos da Noite de James Gray - Pra mim aqui um dos melhores filmes senão o melhor do ano. A atmosfera deste filme me remeteu imediatamente ao "Ano do Dragão" do Cimino e "Viver e morrer em L.A" do Friedkin pois o protagonista aqui era sinal de morte a quem fosse que estivesse ao seu redor, só que nesse filme, latente como em todos do Gray, o perigo iminente pode atingir a própria família. Denso e com atuações fodassas de Robert Duvall e o próprio Joaquin Phoenix, o filme conta com uma perseguição de carros embaixo de temporal que se não é a maior sequencia de tirar o fôlego do cinema neste ano, vou tentar trabalhar com vinhos como Coppola.

Sensacional.

 

Resultado da sequencia foda. Se eu contar estrago.

 

- O Reino de Peter Berg - Mão pesadassa de Michael Mann nesse filme onde apenas o produz. Grupo de especialistas do FBI vão para oriente médio enfrentando um povo que entre eles mesmo não se dão bem por dilemas de quem está com o povo palestino e quem está com os americanos. Trabalha a convivencia de maneira facista e que o diretor suaviza com alguns planos pessoais de cada personagem oriental e ocidental. Porém, não poupa atos ilegais para mover peças do xadrez do governo e seu potencial bélico que começa na estratégia. Toda narrativa é densa tendo câmeras nas mãos e remete novamente a mesma pressão que Redacted trabalhou. Na hora o filme parace ser ótimo, mas com o tempo vai caindo para regular.

 

Tem mais filmes que estes que acabei vendo nestes dias, mas parando aqui no tempo necessário e vendo, são os únicos que pode escrever tranquilamente. Não nego que minha safra tenha sido boa.

 

 


Escrito por el cabrón de la pelicula às 22h43 [] [envie esta mensagem]

[ ver mensagens anteriores ]