Cotações

    ***** = Obra-prima
    **** = Ótimo
    *** = Bom
    ** = Fraco
    * = Turkey

Outros sites

Histórico

Assine o RSS


O que é isto?

mentiras e verdades em 24 fotogramas ou 29 frames por segundo!

Os melhores do contador 00

Saiu na lista da Liga dos Blogues mais uma das listas de décadas. Há tempoas temos comparecido com a lista dos 20 melhores de maneira pessoal e apuram-se os melhores da lista dos membros gerando uma master lista dos 20 melhores das décadas sugeridas.
Esta semana foi aprovado a lista de 2000 pra cá. apesar de cedo e a que todos puderam protagonizar com maior precisão, assumo uma dificuldade imensa de escolher devido ao pouco tempo de prospecção e pesquisa. Sendo assim, olhando meus DVD´s de Back-up de Divx, pude entregar uma seleçãozinha interessante, mas que tenho certeza de que como muitas listas que compareci, possa ter escolhido alguns títulos óbvios.

Segue a lista em ordem de preferência.

1 - A Ultima Noite de Spike Lee, 2002 - Monty resolve repensar a vida após salvar um cão dos escombros do atentado das torres gemeas. Decide parar com o tráfico e justamente neste dia é pego e tem 24 hs pra se despedir dos amigos. Creio que foi um dos filmes que mais me deixou pensando durante meses. Sempre o vejo sofrendo os mesmos impactos da primeira vez.
Mesmo tendo que aguentar as ranzinzeces deste diretor mala sdem alça, tive que dar o braço a torcer pro meu filme favorito desta década.



2 - O Signo do Caos de Rogério Sganzerla, 2005 - Um anti filme, literalmente, pessoas que parecem ter saído do filme de Welles carregando latas de cinema, jogando na baia de Guanabara, memórias inconscientes e repetições além de edições de sílabas na montagem sensacional de Silvio Renoldi. Sganzerla gravando como jovem da escola de São Luis, porém, com uma visão mais pessimista do cinema e sua localização no espaço.



3 - Joe Strummer: The Future Is Unwritten de Julien Temple, 2007 - Documentário de Julien Temple que investiga de maneira mais comportada a vida do vocalista do The Clash. Seus gostos, seus comparsas e sua vida no The Clash. Creio que falar apenas The Clash é o suficiente pra procurar saber mais da vida deste veterano punk vermelho.



4 - Maria de Abel Ferrara, 2006 - A fé fragmentada e a descrença dos personagens que beiram limites. O diretor profano que ousou interpretar Cristo, sua mulher que o abandona para peregrinar na terra santa e um apresentador de TV, que sob pressão familiar, tateia no escuro para compreender a essência divina. Abel ferrara definitivamente quando quer se livrar das drogas, faz filmes de redenção que deixam o coração bombeando na tela.



5 - Garotas Do ABC de carlos Reichenbach, 2003 - A vida no óssio e a vida no trabalho de um grupo de operárias texteis na região do Grande ABC. A personagem frontgirl do filme, tem relacionamentos com um jovem que se relaciona com membros de facções neo-nazistas. Um plot deste retratado na região do ABC deixa o filme crível e atual. Pontos fortes como as referências do diretor aos diretores que gosta como Jodorowsky, Fritz Lang entre outros momentos brilhantes.



6 - Os Donos da Noite de James Gray, 2007 - Bobby é um jovem filho e irmão de policiais da alta patente que pretendem prender toda máfia russo que por coincidencia, são os chefes dele. A situação da escolha de lados é o menor problema. Há além da trama, as criações de tensão que personificam a cara dofilme que pode-se comprar com Ano do Dragão de Cimino ou até Viver e Morrer em L.A de Friedkin, onde o protagonista se encontra na situação de desiquilíbrio, pendendo trazer danos. Destaques para sequencia da emboscada na "firma" ou na perseguição dos carros.



7 - O novo Mundo de Terrence Mallick, 2005 - praticamente o plot seria história de Pocahontas, mas Mallick e sua beleza visual não deixam nenhum segundo o plot ser minimalista. Conflitos de colonizadores, imposição agressiva de adaptação em habitat impróprio para a india entre os planos contemplativos e pensamentos em of com muita precisão marcam a beleza do filme, fora a forte mão do diretor.



8 - Sobre Meninos e Lobos de Clint Eastwood, 2003 - Os três amigos que são marcados por um trauma de estupro. Eles crescem e a fragilidade familiar cresce com eles. As personalidades de Clint diluídas no Polícial interpretado por kevin Bacon que se justifica para a voz do telefone, ou no personagem de Sean Penn que se tornou a mais complicada pessoa depois que perde a filha. Alguém toma um dano, mas o dano tem que ser devolvido. Aos que procuram culpas aqui, não tem tempo para encontrar soluções.



9 - Gangues de NY de Martin Scorsese, 2002 - Um dos filmes mais criticados do diretor, vi nele a grande chance de rever os antigos filmes urbanos que foram deixados com o tempo. Porém, este retrataria as primeiras gangues urbanas de NY. O retorno de um garoto pela morte do pai aqui, quase se torna a substituição dele, semelhante o que o próprio Di Cáprio refaria em "Os Infiltrados" tempo depois. Vi an grande maioria que o criticou, apenas um ranso pós-Titanic com o ator que depois teve chance de reafirmar a parceria com o diretor.



10 - Era uma vez no México de Robert Rodriguez, 2003 - Dono do maior trono de filmes "com culhão" da atualidade, este diretor volta as raízes de seu primeiro longa "El Mariachi" para colocar no trono mexicano a maior revolução dentro do cinema de estética própria e sem limites. O filme não fica como colcha de retalhos apenas, ele é consistente e suas referências do cinema do corpo de Hawks ou a agressão de Peckinpah vem em boa hora: olhos arrancados, tiroteios em bairros e chefes da máfia.



11 - Dirigindo no Escuro de Woody Allen, 2002 - Pouca gente gosta deste filme também. Poderia até citar Match Point, o outro grande páreo do Allen que gosto, mas como esta piada cinematográfica sempre me deixou extasiado ao ver um diretor de cinema cego por consequencias de doenças psico-somáticas, acabei aderindo carinho afetivo-cinéfilo.



12 - Star Wars episódio III: A vingança dos Sith de George Lucas, 2005 - A conslusão caça-níquel de George Lucas atingi o ponto máximo de boa direção do bilionário. Sentindo-se claramente que o diretor stunt foi quem dirigiu algumas péssimas sequências de ação (sequência de Grievous), as que tem o maior esforço de Lucas estão muito mais convincentes e adoráveis para os fãs da velha guarda. O filme consegue ter o tom quase que pior da tragédia de "O Império Contra-Ataca", ainda mais quando na segunda parte o grande vilão se revela. O extermínio de Jedis era algo que mais impressiona os fãs que duvidavam que Lucas teria capacidade de mostrar.



13 - Encontros e Desencontros de Sofia Coppola, 2003 - Sofia Coppola exteriorizou da melhor maneira seu término com Spike Jonze. Estar solitária no Japão é o mesmo que estar sozinho. Me lembro quando Reichenbach me disse que este país consegue ter número de população em excesso e quando andam nas metrópoles, não se esbarram. Isso na imagem de cinema funciona que é uma beleza. Fica melhor ainda quando Bill Murray se junta a Scarlett e ficam os dois fugindo de lugar a outro.



14 - O Senhor dos Anéis: As Duas Torres de Peter Jackson, 2002 - Lembro-me que quando li o livro, temi esta adaptação devido ao livro dividir dois momentos entre os dois hobbits fugindo junto ao Gollum e a sociedade sendo alvo do grande vilão. E esta força bruta só transparece quando manda seu exército para os muros de Helm.
Ha tempos não se via filmes de fantasia megalomaníacos tão bem feitos. O problema da franquia do Anel, é que depois poucos filmes souberam agradar. Excelente direção, ótimas inserções dos trabalhos interiores!



15 - Antes do Por-do-Sol de Richard Linklater, 2003 - mais um filme de um ano pesado de lançamentos. Linklater fez um dos maiores romances da história do cinema mostrando o verdadeiro caminho que parte da fantasia para os momentos pés-no-chão. O casal que havia prometido se conhecido e se atraído em uma noite em Paris, se reencontra porém de maneira diferente, mais condizente com a idade e momento que vivem.seria o melhor romance que eu recomendaria a qualquer um que procure esquecer que a série de filmes com Meg Ryan de romance dos anos 90, estragou toda uma nação!



16 - O Lixo e a Fúria de Julien Temple, 2000 - Um documentário sobre a banda Sex Pistols. Mas trata-se de uma ousadia estética na linguagem de documentário. Ele subverte as entrevistas e cria vários momentos ficcionais como quando Jonny Rotten pede carona e é acolhido pelos membros do The Police. Ou quando utiliza-se de imagens de banco de arquivo para construir uma narrativa de caos e desordem quando as entrevistas acontecem. Devido a algum problema de uso de imagem, os depoimentos do vocalista são feitos em contra luz. Ainda acho que "A festa nunca termina" de Michel Winterboltton só existe porque Temple fez esta bela visão do punk tendo Pistols como cenário de fundo. Recomendo com um dos melhores documentários que vi.





17 - Clean de Olivier Assayas, 2004 - Depois de ter uma péssima experiência Junk com seu ex marido, uma antiga groupie tenta acertar os passos pra poder ter a guarda de seu filho e o mais belo, ter de mostrar para os outros que sua redenção é verdadeira. Maggie Chung é a segunda culpada depois de Assayas por um dos melhores filmes que retratam redenção, um fator tão procurado por mim nos meus projetos pessoais. Lembro-me que de 2004, indiquei este como melhor filme do ano.





18 - Marcas da Violência de David Cronenberg, 2005 - Lembro-me quando li numa chamada de matéria um título interessante de "a arte de ser o outro", mas nem era pra este filme. E quando pude ver este filme, linkei imediatamente o fator "ser outro" no cinema. Viggo Mortensen que provou ser um bom parceiro e repetiu a dose, neste filme convence e tem tudo aquilo que ninguém sabe valorizar: um personagem normal, sem tiques ou trejeitos que fazem atores ganhar premios. Afinal, ele nao manca, não é cego e nem retardado, apenas foi um gigantesco ator nas sequências de descrédito.





19 - Cidade dos Sonhos de David Lynch, 2001 - A ver os filmes de Lynch no cinema, a experiência é norteadora. Um filme que sai sem entender, mas pensei ter captado a essência, sempre me trás novas releituras. Apesar de que meu filme favorito de Lynch seja o anterior, "A estrada perdida", neste, nas palavras de Inácio Araújo entendi os dois lados da mulher: a inocência de Naomi Watts (e seus outros alter-egos) e a ousadia de Laura Harring perante a massa hollywodiana.


Uma coisa que me chamava atenção, era imaginar este filme financiado por estatais européias e pensar de empresários saindo de Hollywood e vendo uma produção: - Quem está rodando aqui que não sei????? - É o tal David Lynch, senhor! - Hunf!





20 - Labirinto do Fauno de Guilermo Del Toro, 2006 - Se o que me atraiu ao cinema foi justamente trabalhar o universo fantástico, ter um filme como este, onde se penetra o mundo da fantasia, porém, tomar danos sérios mesmo na vida real, foi sinal de que até mesmo a visão de fantasia tinha e devia amadurecer. A personagem do filme comete cagadas no mundo da fantasia que refletem no mundo real. Del Toro quase revisita "A Espinha do Diabo" que já era ótimo, mas faz disso algo novo e necessário para o cinema deste ano, inclusive que todos engolissem ser faladoe m espanhol.





Outros filmes que chorei por não estarem na lista e que lembrei com muito carinho depois de ter feito a lista, foram entre outros filmes, praticamente 90% da filmografia de Wes Anderson que só pude lembrar tarde demais...mas fora os do Anderson (os três me agradam muito, sem sombra de dúvida por isso o mea culpa me obriga a por os três) que estaria com algum nesta lista feita e que esqueci, os outros foram:

- Os excêntricos Tebenbaums de Wes Anderson, 2001

 

- Vida Marinha com Steve Zissou de Wes Anderson, 2004

 

- Viagem à Darjeeling de Wes Anderson, 2007

 

- Peixe Grande de Tim Burton, 2003

 

- Embriagado de amor de Paul Thomas Anderson, 2002


- Não Estou lá de Todd Haynes, 2007


- Falsa Loura de Carlos Reichenbach, 2008


- Reis e Rainha de Arnaud Desplechin 2004


- Amantes constantes de Philippe Garrel 2005


- Femme Fatale de Brian de Palma 2002


- Terra dos mortos de George Romero 2004


- Gozu de Takashi Miike 2003


- De passagem de ricardo Elias 2003


- Missão Impossivel II de John Woo 2000


- Faça isto de Tinto Brass 2003


- Elefante de Gus Van Sant 2003


- Sinais de M. Night Shyamalan 2002


- O Prisioneiro da grade de ferro de Paulo Sacramento, 2004

- Sério de desenho Clone Wars





Escrito por el cabrón de la pelicula às 18h42 [] [envie esta mensagem]

[ ver mensagens anteriores ]